Influência da Fibromialgia nos ajustes posturais, na sensibilidade cutânea e na amplitude de movimento de membros inferiores

  • Janine Carvalho Valentino Camargos Universidade Federal do Espírito Santo
  • Leonardo Araújo Vieira Universidade Federal do Espírito Santo
  • Gabriel Santos Moraes Universidade Federal do Espírito Santo
  • Natalia Madalena Rinaldi Universidade Federal do Espírito Santo

Abstract

Introdução: Fibromialgia (FM) é uma síndrome reumática caracterizada por dor musculoesquelética difusa e crônica, e pontos dolorosos específicos à palpação. Estudos anteriores descrevem que esta síndrome está associada à fadiga muscular, distúrbios do sono, aumento a sensibilidade à dor e a limitação dos movimentos corporais. Entretanto, ainda não se sabe, se estes pacientes apresentam alterações na sensibilidade cutânea e na amplitude de movimentos nas articulações de membros inferiores que poderiam influenciar na postura, como também, na realização das atividades diárias. Objetivo: Avaliar os ajustes posturais, a sensibilidade cutânea e a amplitude de movimento nas articulações de membros inferiores em pacientes com FM em comparação com um grupo sem FM. Método: Participaram deste estudo 20 voluntárias, sendo 10 de cada grupo (FM e Controle). As avaliações realizadas foram: FIQ (Fibromyalgia Impact Questionnaire), somente para voluntárias com FM; Avaliação da sensibilidade cutânea; Avaliação Postural Quantitativa e Qualitativa. Resultados: Pacientes com FM apresentaram uma redução na amplitude de movimento como também na sensibilidade cutânea plantar, e desvio postural à esquerda quando comparados com o grupo controle. Conclusão: Pacientes com FM apresentam alteração posturais, sensoriais, e na amplitude de movimento que podem afetar a realização das atividades diárias e consequentemente a qualidade de vida.

References

Martinez, J. Fibromialgia: o que é, como diagnosticar e como acompanhar. Acta Fisiátrica. 1997; 4(2): 99-102.

Marques AP, Santo AS, Berssaneti AA, Matsutani LA, Yuan SLK. A prevalência de fibromialgia: atualização da revisão de literatura. Rev Bra Reumatol. 2017; 57(4): 356-363.

Senna EK, Barros LA, Silva E, Costa IF, Pereira LVB, Ciconelli RM, et al. Prevalence of rheumatic diseases in Brazil: a study using the COPCORD approach. The J of Rheumatology. 2004; 31 (3): 594-597.

Cavalcante AB, Sauer JF, Chalot SD, Assumpção A, Lage LV, Matsutani LA, et al . A prevalência de fibromialgia: uma revisão de literatura. Rev Bras Reumatol. 2006; 46 (1): 40-48.

Helfenstein M, Goldenfum MA, Siena CAF. Fibromialgia: Aspectos clínicos e ocupacionais. RAMB. 2012; 58(3): 358-365.

Goes SM, leite N, souza RM, homann D, osiecki ACV, stefanello JMF, et al. Características da marcha de mulheres com fibromialgia: um padrão prematuro de envelhecimento. Rev Bra Reumatol. 2014; 54(5): 335-341.

Wolfe FS, Smythe MB, Yunus M, Bennett R, Bombardier C, Goldenberg D, et al.The American College of Rheumatology 1990 criteria for the classification of fibromyalgia: Report of the multicenter criteria committee. Arthritis & Rheumatism. 1990; 33(2):160-172.

Wolfe F, Clauw D, Fitzcharles MA, Goldenberg D, Katz RS, Mease P, et al.The American College of Rheumatology Preliminary Diagnostic Criteria for Fibromyalgia and Measurement of Symptom Severity. Arthritis Care Res. 2010; 62(5):600–10.

Burckhardt CS, Clark SR, Bennett RM. The Fibromyalgia Impact Questionnaire: Development and validation. The Journal of Rheumatology.1991; 18(5):728-734.

Marques AP, Santos AM, Barsante AA, Matsutani LA, Lage LV, Pereira CA. Validação da versão brasileira do Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ). Rev. Bras. Reumatol. 2006; 46(1): 24-31.

Bell KJA. Light touch-deep pressure testing using Semmes-Weinstein monofilaments. in: HUNTER, JM. Rehabilitation of the Hand. Michigan: Mosby;1990, 585–593.

Duarte M, Ferreira EA, Maldonado EP, Freitas AZ. Documentação sobre o SAPO - Software para avaliação postural. 2005. Disponível em http://demotu.org/sapo2/SAPOdoc.pdf. Acesso em: 11 de Maio de 2018.

Ferreira GNT, Satiro GF, Coelho GHL, Santos PS, Fonseca RA. Confiabilidade da medida goniométrica do ângulo de extensão do joelho. Anais da I Semana Científica da Faculdade da Saúde e Ecologia Humana – FASEH. 2005; Vespasiano, 14-14.

Kendall FP, Mccreary EK, Provance PG. Postura: alinhamento e equilíbrio muscular. In: Kendall FP, Mccreary EK. Músculos provas e funções. São Paulo: Manole, p. 69-118.

Bennett, R. The Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ): a review of its development, current version, operating characteristics and uses. Clin Exp Rheumatol. 2005; 23(5):154-162.

Assumpção A, Marques A. Avaliação da qualidade de vida em indivíduos com fibromialgia: comparação entre dois protocolos. Fisioterapia e Pesquisa. 2002; 9(2): 93-93.

Vale RGS, Aragão JCB, Dantas E.H. A flexibilidade na autonomia funcional de idosas independentes. Fitness & Performance Journal. 2003; 2(1):23-29, 2003.

Harrison AL, Barry-Greb T, Wojtowicz G. Clinical measurement of head and shoulder posture variables. The Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy 1996; 23(6): 353-361.

Riegger KC, Keysor, JJ. Skeletal malalignments of the lower quarter: correlated and compensatory motions and postures. The Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy. 1996; 23(2): 164-170.

Goldenberg DL, Mossey CJ, Schimid CH. A model to asess severity and impact of fibromyalgia. The Journal of Rheumatology. 1995; 22(12):2313-1318.

Hecker C, Melo C, Silva TS, Martins R, Leal JE. Análise dos efeitos da cinesioterapia e da hidrocinesioterapia sobre a qualidade de vida de pacientes com fibromialgia: um ensaio clínico randomizado. Fisioter mov. 2011; 24(1): 57-64.

Wilhelm J, Santos RV. Benefícios da hidrocinesioterapia na fibromialgia: estudo de caso. Fisi Senectus. 2013; 1: 96-103.

Published
2018-08-31
Section
Research Articles